O Quanto Você Suporta O Que Realmente Quer?

Ano de crise. Demissões em massa, retenção de gastos e todo mundo pensando no que fazer.

ano-de-crise

Talvez seja este o maior “ganho”do período de crise. O questionamento. Mais ou menos impactados, a conversa comum em rodas de chimarrão, café e outras bebidas é sobre o que fazer neste momento. Quem foi demitido, pensa em como se recolocar, ou o que fazer, se quer empreender. Quem ainda está colocado, pensa em formas de se tornar cada vez mais importante ou necessário na sua organização.

Dois mundos diferentes, mas um pensamento vem quase sempre à tona:

O que estou deixando de significativo, qual a minha contribuição de verdade para a empresa e para a sociedade?

Nesse questionamento, muito válido, por sinal, vem a questão do “fazer o que se ama“, tão discutido em palestras e congressos, tão criticado por quem está na anestesia do trabalho-para-pagar-as-contas, que é tão válido quanto o questionamento.

Nesse momento, muitos se jogam na expectativa da mudança de carreira, do empreendedorismo, numa tentativa de retomar uma certa estabilidade ou mesmo romper os padrões que não desejam mais para si. Planejam muito (ou pouco) e vão em direção aos seus sonhos.

Muitos, neste momento, sentem-se paralisados, muitas vezes bem perto de começar a alcançar um objetivo mais concreto. Você já se perguntou o porquê disso acontecer?

mulher

Pois bem, tenho uma pergunta pra fazer: o quanto você suporta alcançar algo que sempre quis?

Isso vale para aquela vaga que tanto sonhamos em preencher, pro contrato que vai tirar a consultoria do vermelho, até para um relacionamento tão esperado.

O quanto você está pronta para receber o que sempre desejou? O quanto você suporta estar onde sempre quis?

Talvez tenhamos criado metas assustadoramente altas para não alcançá-las, talvez nem nos acreditássemos na nossa capacidade, talvez tenhamos sido pegos de susto. A questão é que às vezes, nos preparamos apenas para o fracasso e a decepção. Às vezes nem consideramos a hipótese do sucesso, mesmo que tenhamos nos preparado para isso. Pode ser por medo, sabotagem ou uma infinidade de situações, mas é importante levar em consideração o tanto de energia que gastamos com esse processo.

Que tal ser mais leve?

O que poderia acontecer se você for aceito na tal vaga? O que pode acontecer se seu contrato for aceito? E quando aquele relacionamento tão especial aparecer? Vou te contar: será uma fase especial, com seus desafios, é claro, mas muito especial.

Apenas isso. Traga leveza para os seus pensamentos, cultive uma expectativa positiva. Os pessimistas dizem que pensar no pior diminui a expectativa e não decepciona, eu te digo que além de gastar uma energia enorme, só prepara para tudo o que você não quer.

Experimente, nem que seja para colocar este texto à prova: agradeça pelas oportunidades, coloque foco no que é importante, faça a sua parte, visualize cada investimento como tendo um retorno positivo e depois me conte se a sua vida não mudou pra melhor. Eu acredito que toda ação tem uma reação, e que tudo o que fazemos de positivo volta, de alguma forma para nós. E você?

*Publicado originalmente no site www.jogodedamas.me